Hospitais que atendem pelo SUS podem – e devem – contar com uma gestão mais eficaz. Em uma realidade em que minimizar desperdícios de gastos e controlar investimentos é lei para a sustentabilidade econômica, o setor de faturamento ganha protagonismo. Mas de nada adianta uma equipe perfeitamente treinada compondo a área, se não há ferramentas que permitam gerenciar todas as determinações do DATASUS.

 

Que tipo de ferramenta pode ajudar? Um sistema de gestão hospitalar que permita que o faturamento supere as fragilidades inerentes às instituições que dependem do SUS e seja mais ágil. E como isso funciona? Quando se trata do setor de faturamento hospitalar, que recebe informações de vários setores e ao mesmo tempo, a organização é decisiva para que ele funcione alinhado com as necessidades do hospital, para minimizar erros de faturamento e para que o fluxo financeiro da instituição não seja interrompido.

 

Vários problemas são evitados com uma melhor gestão financeira, em resumo, alguns desses problemas são:

  • Glosas
  • Rejeição de contas
  • Falta de controle dos gastos
  • Despesas desnecessárias
  • Valores errados de repasses
  • Dificuldade em realocar recursos para atividades mais produtivas

 

Solução Birdserv

O software de gestão hospitalar conta com módulos específicos para o Faturamento SUS, como o BPA (Boletim de Produção Ambulatorial) e o APAC (Autorização de Procedimentos de Alta Complexidade). Ambos foram desenvolvidos para orientar o preenchimento correto das informações e a validação de possíveis incorreções antes do envio da cobrança. É assim que acabamos com a possibilidade de rejeição de contas e minimizamos erros que possam se transformar em prejuízo.